sexta-feira, 1 de julho de 2011

O dia das figurinhas…hahaha

Por : @Jeffabelha



Um momento que nunca irei esquecer.
Eu como toda menino “nerd”, adorava ver desenhos animados, jogar video-game, quadrinhos e etc…
Desde pequeno peguei um vicio por Bancas de Jornais, sempre que eu tinha dinheiro no bolso, se eu visse uma banca de jornais, corria em disparada para gastar meus trocados com qualquer artefato relacionado a qualquer série que eu acompanhava.
Em uma época, fui VICIADO em colecionar cards do YU-GI-OH, daqueles que se comprava em bancas de jornais.
Lembro, que em um dia em especial nas férias de verão, minha mãe nos deu 100,00 R$, sendo metade (50,00 R$ para os alfanuméricos) para cada um. Então saímos. A princípio iriamos ao Shopping, mas…QUE SHOPPING POHA NENHUMA MÃE!! VAMOS PRA BANCA!!! *O*
Ok!! Corri em direção a banca de jornais da vila ocian, aquela que fica na esquina da Av. Pres. Kennedy com a rua da feirinha (a qual tem aqueles prédios velhos) e que fica em frente ao Banco Itaú. Enquanto isto minha irmã entrou em uma daquelas lojinhas de 1,99 R$ que na Praia Grande, pelo menos em meu tempo, era o que mais existia.
Enfim, cheguei babando. A moça, possivelmente dona da banca, usava óculos e seus olhos eram do tipo que se abriam pouco, porém…eu disse:
-Moça. Você tem o suficiente de cards do yu-gi-oh para 50 reais?
A mulher: O_O” (com “olhos esbugalados” e cara de “puta muleke doido”).
-Tenho sim.
Eu retruquei (me sentindo o presidente dos Estados Unidos).
-EU quero 50 reais de cards do yu-gi-oh!
A mulher: O_O” - Sim senhor!!!

Sai da banca com uma sacola de pacotes de cards, desesperadamente comecei a abri-las…*o*
Minha mãe, logo se deu conta e foi correndo comprar um saco de lixo. Sentamos em um banco nas proximidades da banca, e não parava de abrir e babar olhando meus novos cards (o mais legal é que na PG a edição de cards era distinta da existente na capital, eu não pensava em nada além de como todos teriam inveja de mim na escola).
Logo a Jeeh chegou, com uma boneca…¬¬’… acho que deve ter custado uns 5,00 R$, então ela começou a me ajudar abrir os pacotes…Então acabamos (finalmente, e eu todo abestado).
Para minha surpresa, e algo que não sei se foi:
-Empolgação ao abrir os pacotes comigo;
-Querer me deixar feliz;
-Retardatice;
-SEI LÁ…O_O”

Só sei que a Jeeh ainda tinha uns 40 reais e simplesmente disse:
-Tó! Pega e compra mais cards.
Eu:
-Sério?…*¬*
Jeeh:
-É, não tenho com que gastar…pode comprar…♥
Eu:
-Ta bom…*¬*…BLigadUuuuuu!!!…*¬*

Cara! Que felicidade, muita nostalgia só de lembrar.
Comprei mais uns 40 reais de cards, devo ter acabado com o estoque da mulher. kkkkkkk’
Ficamos naquilo de abrir figurinhas, durante muito tempo.
Enchemos o saco de lixo com pacotes rasgados de figurinhas…hohohoh’

E voltamos pra casa, após um sorvete…*o*
Sério, eu fiquei MUITO TEMPO olhando aquelas figurinhas, revisando elas, limpando, organizando por cores, ordem alfabética, tipo de monstro, ataque, defesa, efeitos especiais.
Fiquei cerca de uns 3 anos com elas, INTACTAS.
Todos morriam de inveja de mim no colégio, teve casos de garotos CHORAREM por eu não trocar nem as REPETIDAS QUE EU TINHA!
Melhor época da minha vida…*o*
Eu era feliz e nem me tocava.

No fim, presenteei um primo meu (Patrick), com as cartas, isto após anos que já tinha elas. Eera aniversário dele, e ele sempre dizia que o que mais queria era uma coleção de cards do yu-gi-oh como aquela. Ele tem eles até hoje…^^

Obrigado Jeeh, você me deu o melhor verão, e a minha época “SR. FODÃO” no colégio.

Te amo MUITO.

Moral da história: Nem tudo que é pequeno aos olhos de gente grande, é apenas uma fase. Meus momentos mais felizes foram com as pequenas coisas que não valiam mais de 20 centavos…:p